¿Ciencia de la ignorancia o ignorancia de la ciencia? Agnotología y ladinoamefricanidad a partir de experiencias brasileñas y colombianas

Palabras clave: agnotología, ladinoamefricanidade, conocimiento, ignorancia, política, ciencia, tecnología

Resumen

Este texto, de naturaleza teórica / metodológica, interpretativa y bibliográfica, tiene como objetivo proporcionar una discusión crítica sobre el culto a la ignorancia y la ignorancia del conocimiento, a partir de ejemplos de hechos socio históricos, que ocurrieron principalmente en el territorio brasileño y colombiano. El problema de investigación se basa en la siguiente pregunta: ¿quién o qué grupos sociales, al ignorar cuestiones de género y etnia / raza, mientras piensan en el conocimiento producido en las universidades y en la formación de futuros académicos, contribuyen no solo en perpetuar la ignorancia oculta de la ciencia por el discurso de la neutralidad, imparcialidad y objetividad, pero también para no permitir que ciertos sujetos estén en estos espacios? Para cumplir con el objetivo y el problema de investigación propuestos en este artículo, además de otros conceptos, se presenta el concepto de agnotología y ladinoamefricanidade, presentado por el científico americano Robert Proctor y por la científica brasileña Lélia Gonzáles. Se entiende que estos dos conceptos articulados ofrecen otras posibilidades de cuestionarse, como sujetos, sociedad y academia: Además, ¿durante cuánto tiempo se promoverá la ignorancia de la ciencia a partir de la ciencia de la ignorancia?

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Michel Alves Ferreira, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade (ppgte) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (utfpr), e Mestre pelo ppgte. Bacharel em Turismo pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (unioeste). Especialista em Neuropsicologia e Educação pelas Faculdades Itecne de Cascavel. Experiência docente em escolas técnicas profissionalizantes de Curitiba/PR desde 2009. Atualmente é bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes, realizando estágio de doutoramento na Universidad Nacional de Colombia – Sede Bogotá (edital 47/2017 – Capes), compreendendo o período de outubro de 2018 a setembro de 2019.

Lindamir Salete Casagrande, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Pós-Doutora em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismos pela Universidade Federal da Bahia (ufba); Doutora e Mestra em Tecnologia pelo ppgte/ utfpr. Faz parte da equipe de coordenação do GeTec e da revista científica Cadernos de Gênero e Tecnologia.

Citas

Livros

Akotirene, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento. Justificando, 2018.

Alves, Rubem. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Loyola, 2002.

Arango Gaviria, Luz G. Jóvenes en la universidad: género, clase e identidad profesional. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Nacional de Colombia, 2006a.

Casagrande, Lindamir S. Silenciadas e invisíveis: relações de gênero no cotidiano das aulas de matemática. Curitiba: Editora CR7, 2017.

Kuhn, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 9ª Ed., 2006.

Nascimento, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1978.

Ribeiro, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento. Justificando, 2017.

Schiebinger, Londa. O feminismo mudou a ciência? Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Bauru EDUSC, 2001.

Souza, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à lava jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

Capítulos de livros

Casagrande, Lindamir S. e Lima e Souza, Ângela M. F. de. «Quem faz engenharia e licenciatura na UTFPR? Análise sob a perspectiva de gênero» em Entrelaçando gênero e diversidade: matizes da divisão sexual do trabalho. 123-168, organizado por Casagrande, Lindamir S. e Luz, Nanci Stancki da. Curitiba: Editora UTFPR, 2016b.

_________________. «Violência simbólica de gênero em duas Universidades Brasileiras» em Violência, gênero e diversidade: Desafios para a educação e o desenvolvimento. 79-108, organizado por Wanzinack, Clóvis e Signorelli, Marcos C. Rio de Janeiro: Autografia, 2015.

Habermas, Jürgen. «Técnica e ciência enquanto ideologia». In: Os pensadores. 303-333. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

Proctor, Robert N. «Agnotology: a missing term to describe the cultural production of ignorance (and Its Study)» em Agnotology: the making and unmaking of ignorance. 01-33, organizado por Proctor, Robert N. e Schiebinger, Londa. Palo Alto: Stanford University Press, 2008.

Artigos científicos

Angulo Granada, Lubi. «Mujeres afrodescendientes y educación superior en Colombia: Una aproximación a sus antecedentes». Revista de investigación miradas n.º 1 (2018): 187-203.

Arango Gaviria, Luz G. «Género e ingeniería: la identidad profesional en discusión». Revista Colombiana de Antropología n.º 42, (2006b): 129-156

Cabral, Carla G. «Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado». Cadernos Pagu n.º 27, (2006): 63-97.

Casagrande, Lindamir S. e Lima e Souza, Ângela M. F. de. «Percorrendo labirintos: trajetórias e desafios de estudantes de engenharias e licenciaturas». Cadernos de pesquisa n.º 163, (2017): 168-200.

_________________. «Para além do gênero: mulheres e homens em engenharias e licenciaturas». Revista de estudos feministas n.º 03, (2016a): 825-850.

Fuentes Vázquez, Lya Y. «¿Por qué se requieren políticas de equidad de género en la educación superior?*». Revista Nómadas n.º 44 (2016): 65-83.

Gonzáles, Lélia «Racismo e sexismo na cultura brasileira». Revista Estudos Sociais Hoje, (1984): 223-244.

_____________. «A categoria-político cultural da amefricanidade». Tempo brasileiro, 92-93, (1988): 69-82.

Haraway, Donna J. «Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial». Tradução de Mariza Corrêa. Cadernos Pagu n.º 05, (1995): 07-41.

Lima, Betina S. «O labirinto de cristal: as trajetórias das cientistas na física». Revista de Estudos Feministas n.º 03, (2013): 883-903.

Lombardi, Maria R. «“Por que são tão poucas?”: um estado da arte dos estudos de engenharia e gênero». Textos FCC n.º 02 (2016): 1-48.

Perez-Bustos, Tania e García-Becerra, Andrea. «Situating women scientists with non-normative gender positions in the Colombian national system of science and technology». Acta Colombiana de Psicología, n.º 16 (2013): 47-54.

Schiebinger, Londa. «Expandindo o kit de ferramentas agnotológicas: métodos de análise de sexo e gênero» Tradução de Cecília Maria Bacellar Sardenberg. Revista Feminismos n.º 03, (2014): 85-103.

Silva, Fabiane F. da e Ribeiro, Paula R. C. «Trajetória de cientistas na ciência: “ser cientista” e “ser mulher”». Ciênc. Educ. n.º 02, (2014): 449-466.

Solano-Alonso, Jairo. «El mensaje social y existencial de Joe Arroyo». Huellas: revista de la universidad del norte, 90-91 (2012): 69-74.

Winner, Langdon. «Do Artifacts Have Politics?». Daedalus, n.º109 (1980): 121-136.

Apresentações em eventos científicos

Ferreira, Michel A., Oliveira, Glacielli T.S. de e Casagrande, Lindamir S. «Negras e negros na pós-graduação da UTFPR: onde estão». 13º Congresso mundos de mulheres & seminário internacional fazendo gênero 11 – transformações, conexões, deslocamentos – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 01 de agosto de 2017. Acesso em 13 de maio de 2019, http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1497033075_ARQUIVO_negras_e_negros_na_pos_graduacao_versao_final.pdf.

Sawyer, Mark Q. «Du Bois' double consciousness versus latin america exceptionalism: Joe Arroyo, salsa and negritude». Western Political Science Association Annual Meeting. Portland Oregon, 13 de novembro de 2004. Acesso em 13 de junho de 2019, https://www.sscnet.ucla.edu/polisci/faculty/sawyer/DuBois.pdf.

Dissertações e teses

Correa Olarte, Maria E. «la feminización de la educación superior y las implicaciones en el mercado laboral y los centros de decisión politica». Tese. Universidad Externado de Colombia, 2005, https://www.mineducacion.gov.co/cvn/1665/articles-92159_archivo_pdf.pdf;

Ferreira, Michel A. «Para além das métricas: produção científica de docentes no contexto de dois programas de pós-graduação da UTFPR e questões de gênero». Dissertação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2017, http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2609/1/CT_PPGTE_M_Ferreira%2C%20Michel%20Alves_2017.pdf

Oliveira, Megg R. G. de. «O diabo em forma de gente: (r) existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação». Tese, Universidade Federal do Paraná, 2017, https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/47605/R%20-%20T%20-%20MEGG%20RAYARA%20GOMES%20DE%20OLIVEIRA.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Teixeira, Patrícia. «A organização da informação em plataforma de gestão de referências, a Zotero: a coleção Lélia Gonzalez e o projeto Memória». Dissertação, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2017, http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2737/1/CT_PPGTE_M_Teixeira%2C%20Patr%C3%ADcia_2017.pdf.

Varela, Alexander C. «Mujer, subordinación y poder; Guadalupe Zapata y la narrativa historica de Pereira». Dissertação, Universidad Tecnológica de Pereira, 2016, http://repositorio.utp.edu.co/dspace/bitstream/handle/11059/7161/809933522C965.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Sítios web e textos jornalísticos

Acervo. «A destruição dos documentos sobre a escravidão». O Estado de São Paulo, 14 de dezembro de 2015. Acesso em 03 de junho de 2019, https://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,a-destruicao-dos-documentos-sobre-a-escravidao,11840,0.htm.

Alcadía de Pereira. «Información del municipio». Alcadía de Pereira, acesso em 02 de junho de 2019, http://www.pereira.gov.co/MiMunicipio/Paginas/Informacion-del-Municipio.aspx.

Brasil. «Mulheres são a maioria em universidades e cursos de pós graduação». Acesso em 19 de julho de 2019. http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/03/mulheres-sao-maioria-em-universidades-e-cursos-de-qualificacao

Carta Capital. «Salvador é a meca negra: todo negro precisa ir pelo menos uma vez», Carta Capital, 21 de dezembro de 2018, acesso em 27 de maio de 2019, https://www.cartacapital.com.br/blogs/guia-negro/salvador-e-a-meca-negra-todo-negro-precisa-ir-pelo-menos-uma-vez/.

Correio Brasiliense. «Após festa polêmica, Donata Meirelles pede demissão da Vogue Brasil». Correio Brasiliense, 13 de fevereiro de 2019, acesso em 27 de maio de 2019, https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2019/02/13/interna_diversao_arte,737389/apos-festa-polemica-donata-meirelles-pede-demissao-da-vogue-brasil.shtml

Huffpost Brasil, «Donata Meirelles, da Vogue, faz festa de 50 anos e é criticada por 'temática racista'». Huffpost, 09 de fevereiro de 2019, acesso em 27 de maio de 2019, https://www.huffpostbrasil.com/entry/donata-meireles-festa-racismo_br_5c5f242ee4b0eec79b23f2a8

Jornal Grande Bahia. «Salvador é a capital mais negra do Brasil e também onde está maior desigualdade salarial entre brancos e pretos». Jornal Grande Bahia, 21 de novembro de 2018, acesso em 27 de maio de 2019, http://www.jornalgrandebahia.com.br/2018/11/salvador-e-a-capital-mais-negra-do-brasil-e-tambem-onde-esta-maior-desigualdade-salarial-entre-brancos-e-pretos/

Lima, Juliana D. de. «A mudança de nome da praça da Liberdade. E a memória negra em São Paulo». Nexo, 07 de agosto de 2018. Acesso em 02 de junho de 2019, https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/08/07/A-mudan%C3%A7a-de-nome-da-Pra%C3%A7a-da-Liberdade.-E-a-mem%C3%B3ria-negra-em-S%C3%A3o-Paulo

Scorce, Carolina «Bairro da liberdade concentrava espaços de tortura e morte contra os negros na escravidão». Carta Capital, 03 de janeiro de 2018. Acesso em 27 de maio de 2019, https://www.cartacapital.com.br/educacaoentrevistas/liberdade-concentrava-forca-o-pelourinho-cadeia-e-o-cemiterio-dos-negros-na-escravidao/.

Tokarnia, Mariana. «Negros representam 28,9% dos alunos da pós-graduação». EBC Agência Brasil, 13 de maio de 2015, acesso em 12 de junho de 2019, http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2015-05/negros-representam-289-dos-alunos-da-pos-graduacao.

Victoria, Carlos A. «Guadalupe Zapata: la negra grande de Pereira». Las 2 Orillas, 14 de outubro de 2013. Acesso em 02 de junho de 2019, https://www.las2orillas.co/guadalupe-zapata-la-negra-grande-de-pereira/

Documentos

Departamento Administrativo Nacional de Estadística. «estadísticas por tema mercado laboral». Acesso em 02 de abril de 2019. https://www.dane.gov.co/index.php/estadisticas-por-tema/mercado-laboral

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Síntese de Indicadores 2014. «tabelas completas». Acesso em 20 de maio de 2019. https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2014/sintese_defaultxls.shtm;

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP «Sinopses estatísticas da educação superior - graduação» INEP. acesso em 02 de maio de 2019, http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior.

Ministerio de Educación Nacional. «Compendio Estadístico de la Educación Superior Colombiana». Compendio Estadístico de la Educación Superior Colombiana». Acesso em 03 de maio de 2019. https://www.mineducacion.gov.co/1759/articles-360739_recurso.pdf;

Ministerio de Educación Nacional. «Sistema Nacional de Información de la Educación Superior». Acesso em 03 de maio de 2019, https://www.mineducacion.gov.co/sistemasinfo/Informacion-a-la-mano/212400:Estadisticas.

Músicas

Arroyo, Joe. La Rebelión, em Joe Arroyo y la verdad: grandes éxitos, faixa 3. Miami: Disco Fuentes, 1991.

Madonna e Pettibone, Shep. Vogue, em I'm Breathless: Music from and Inspired by the Film Dick Tracy. Produzido por Madonna e Shep Pettibone. Faixa 12. California: Warner, 1990.

Documentários e vídeos

Livingston, Jennie. Paris is Burning. Filme cinematográfico. Estados Unidos. Produzido e dirigido por Jennie Livingston. 78 minutos. Miramax filmes, 1990.

Ru Paul’s Drag Race – Reading queens. Youtube vídeo, 3:55. Postado por Logo, 16 de setembro de 2014, acesso em 06 de junho de 2019, https://www.youtube.com/watch?v=MyZ6JZkdXSk.

Publicado
2021-01-22
Sección
Estudios Históricos